segunda-feira, 14 de março de 2011

Poesia, vida de cão...


Sabedoria profana,
Aquela do tipo excomungada... Jogada na fogueira
Como as bruxas!
Qualquer sentido que encontre para o feitiço.
Ele sempre volta ao feiticeiro...
É a assim por inteiro nessa vida de cão...
Maldição após maldição tentando um dia parar de sofrer
Mais eis que se amaldiçoa assim.
Se parares de sofrer não mais viverás.
Nem em lembranças, nem em obra.
Uma cobra ou serpente se preferir, trará a tradução
Do que estar por vir...
Não precisa proferir ou profetizar
Para se falar do que estar por vir..
Saberemos então, o que nos predestinaram
Através dessas máquinas super evoluídas
Com o imenso poder de segar, difamar e separar civilizações
Super desenvolvidas que sacrificam suas vidas
Perante ao Cristo Salvador e prometedor de dias melhores.
Os piores sempre tentam resistir.
Por que se assumir dói mais que a pregada da própria serpente
Por que dos dentes correm o sumo profano
Daqueles que suavemente despejam, debruçam, aguçam, desvendam, derramam Suas mentes fronte a uma atmosfera quase sempre plana mais em branco.

2 comentários:

juliomarcos77 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Criis Ribeiro disse...

'Maldição após maldição tentando um dia parar de sofrer'

Tu é foda mermo!
afff
vou te bater por ser tão profundo! srsrsrsrs

Amey! Simplesmente, amey!

AmOvC!

/criis