sexta-feira, 18 de junho de 2010

Pensamentos soltos


Transparecer sobriedade nunca me foi tão útil como ultimamente.
Sabiamente tomei tal decisão, não me entregar a coisas pequenas.
Por que, das penas ao se juntar, pode se tirar um par de asas numa imensidão.
Negras no meu caso. É verdade o obscuro me atrai; trevas, caos, coisas que muitos repudiam, insisto em digerir.
Minhas musas inspiradoras chamam: Morte e Dor... Formando assim um casal perfeito, desses que não se importam com sujeito, predicado ou verbo, pois sou cervo somente do que ah dentro de mim, pensando assim abro parêntese pra algo Que pode realmente causar arrepios e não do frio que ah de fazer aqui nesse exato momento.
Instrumento, sou apenas um instrumento de uso e cortesia de toda essa podridão ocultada por vestimentas coerentes algumas vezes ousadas, sofisticadas, mais nunca demonstradas com tamanha precisão, a coragem em estender as mão aqui encima e despejar essas enzimas distorcidas dessa aberração biomecânica, transcendental, a normal, debilmental, que cultua o Caos, como única forma de organizar mais o plural.
Bem ou mal, acreditar que não podemos ficar de braços cruzados, Já é está fazendo alguma coisa!

3 comentários:

Ademirock disse...

asas abertas para a liberdade se essa for coesa, rrssrsrr, muito louco o texto cabeça luz e sabedoria sempre, se for coeso rsrsrs

Jéclysson Taboca disse...

Coerencia nunca foi o forte dos loucos,e definitivamente não busco isso ...sabedoria é concequencia quando se arrisca sem medo de errar...assim se aprende mais ao inves de tah querendo dar aula...pra alguem!

Isabela Fidelis disse...

Gostei "paca"...
Adoro textos assim...
Tb num sabia que vc tinha blog! hehe
Parabéns! bjão